Apresentação de resultados para a diretoria: o que não pode faltar

A prestação de conta dos resultados financeiros para o nível sênior da organização é uma situação que gera tensão aos envolvidos. Por mais preparo que se tenha, a sensação é que a qualquer momento vai surgir um questionamento inesperado para abalar a confiança do apresentador ou ainda não ter tempo suficiente para abordar todas as análises.

Para evitar esse tipo de situação e tornar a reunião mais produtiva é essencial ter em mente qual o verdadeiro interesse do acionista ou do dono.

A resposta é óbvia: todos querem saber da rentabilidade do negócio.

Portanto, para fazer uma boa apresentação de resultados financeiros para a diretoria é fundamental focar em algumas técnicas de apresentação e em dois indicadores:

1. ROE (Return on Equity)

Lembrando que o objetivo de qualquer empresa é a rentabilidade, deve-se sempre apresentar o ROE do negócio para o corpo diretivo. Essa análise é feita com base no cálculo do Lucro Líquido (LL) dividido pelo Patrimônio Líquido (PL). Trata-se do lucro que pertence aos acionistas dividido pelos investimentos dos acionistas.

ROI = lucro líquido (receita total – custo total)

____________________________________________

Total de ativos (patrimônio líquido)

Por exemplo, se o empreendedor investiu R$20.000,00 nos ativos da empresa e alcançou Lucro Líquido de R$3.000,00, isso significa que teve rentabilidade de 15%.

É com esse indicador que será possível identificar o retorno do capital que foi investido pelos sócios na empresa.

Mas a conversa não termina aí. O próximo passo seria compreender se o lucro, que gerou a tal rentabilidade, se converteu ou não em caixa. Em outras palavrasm é fundamental compreender a conversão de lucros em fluxos de caixa.

Como obter essa resposta?

2. Lucro versus Fluxo de caixa

Existem diversas formas de medir essa conversão. Uma das mais comuns é a capacidade de converter o EBITDA (lucro gerado antes de pagar os juros, tributos, depreciação e amortização), que pode ser entendido como um potencial de geração de fluxos de caixa em FCO (Fluxo de Caixa Operacional),. Essa é maneira mais tradicional de checar se o lucro foi convertido em caixa.

Seja estratégico no discurso

Levando em consideração que, normalmente, o tempo dedicado para a apresentação dos resultados financeiro em uma reunião de conselho é curto, o segredo para um discurso relevante é ser direto, claro e assertivo na análise.

Iniciando a conversa com a apresentação dos dois pontos citados acima, com certeza, você atrairá o interesse do corpo diretivo e apresentará as informações mais importantes para uma tomada de decisão.

Mas, não se esqueça que cabe ao gestor financeiro fazer a lição de casa e ter na ponta da língua todas as demais métricas de geração de resultados, que não deixam de ser explicações detalhadas da geração do ROE e da conversão dos lucros em fluxos de caixa, assim como conhecer profundamente o negócio e a contabilidade. Tenha esses dados sempre na manga e só os utilize, caso sejam solicitados ou se necessitar contextualizar algum cenário mais específico.

Do contrário, planeje-se para abordar o que realmente é mais importante, mesmo que, na prática, essas tenham sido suas últimas análises realizadas. Muitas vezes, as informações de “trás para frente” são as mais valiosas para o negócio.